Porque não ir à reunião convocada pela ECT para o dia 12 de novembro?

Derrotar o Postal Saúde

É preciso dizer não à tentativa da direção dos Correios de dividir e desorganizar a categoria para impor um ataque aos direitos e benefícios dos trabalhadores

IMG-20130705-WA0000

No dia 30 de outubro deveria ter acontecido uma audiência no Tribunal do Trabalho em Brasília para julgar a ação da Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios) contra o Postal Saúde.

A justiça negou aos advogados da Fentect acesso à petição da empresa. Sabe-se apenas que a mudança no Plano de Saúde da categoria, ou seja, a manutenção do Postal Saúde pode se dar com o acordo da categoria. E que dias antes, em 24 de outubro, a empresa enviou às direções dos sindicatos de todo o país um convite para a realização de uma reunião em Brasília para “dar continuidade às discussões dos assuntos constantes na pauta de negociação”.

A empresa através da Vice-Presidência de Gestão de Pessoas – VIGEP se ofereceu para “providenciar a passagem e a hospedagem” dos dirigentes sindicais que confirmassem a participação. Só faltou falar do pagamento de diária e coffee break.

Tudo isso depois de uma tremenda luta durante a campanha salarial para que a empresa aceitasse o comando amplo de negociação da Fentect, que justamente é composto por representantes dos sindicatos e da Federação. Para quem não lembra, a ECT passou três reuniões de negociações enrolando, afirmando que não aceitaria negociar com essa quantidade de pessoas; que seria inviável; não liberou os membros do comando que chegaram a ter de fazer um ato de protesto fechando as catracas do Ed. Sede da empresa para serem recebidos.

A VIGEP mudou em plena campanha salarial porque a empresa vem sendo derrotada na tentativa de acabar com o plano de saúde dos trabalhadores. Larry Almeida caiu e entrou em seu lugar Nelson de Freitas, que está na empresa sob a proteção direta do ministro Paulo Bernardo e do presidente da ECT, Wagner Pinheiro, desde o escândalo que deu origem a toda investigação relacionada ao mensalão do PT.

A empresa aposta na divisão da categoria. Como a Findect, foi totalmente desautorizada pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho) no julgamento do Dissídio, a empresa para de falar em federação e fala em negociar com sindicatos. A nova VIGEP tenta conseguir o que a gestão anterior não conseguiu: tirar a Fentect da mesa de negociação e colocar os traidores divisionistas do Sintect-SP e Sintect-RJ para firmar um acordo aceitando o famigerado Postal Saúde. Foi por isso que a audiência na justiça foi adiada para dois dias depois dessa tentativa de reunião entre a direção da ECT e os sindicatos, dia 14 de outubro. E é por isso que não devemos participar dessa reunião.

Os sindicatos que de fato querem defender os interesses dos trabalhadores não podem aceitar a divisão da categoria, pois é disso que se trata. A jogada de negociar com os sindicatos foi condenada até mesmo pelo TST, mas a empresa conta com isso para conseguir aplicar o golpe de misericórdia contra o principal beneficio dos trabalhadores dos Correios, o Plano de Saúde.

A decisão do TST não deixa brecha para a empresa impor esse ataque e os trabalhadores de base devem lutar para impedir essa traição das direções sindicais.

Quem defende os trabalhadores não deve participar armação da empresa através da reunião convocada para o dia 12, mas organizar na base a luta dos trabalhadores para realizar atos e pressionar a justiça, para por fim ao golpe do  Postal Saúde.

Anúncios

Um comentário sobre “Porque não ir à reunião convocada pela ECT para o dia 12 de novembro?

  1. Vamos nos mobilizar para grande greve em DEZEMBRO !!

    Procrastinar medidas evasivas ditatoriais emanadas da ECT em face da categoria com articulados meios sorrateiros, capciosos, compelidos por uma empresa pública, para atingir a redução de custos, através de pseudo sindicalistas que arregimentam uma parcela representativa de sua base territorial para impingir em comunhão com a empresa ataques, que se não houver uma reação incisiva da base, haverá consequências nefasta.
    O julgamento do TST, pela 3ª vez consecutiva, deixou bastante claro, Pauta de reivindicação não representa absolutamente, configura-se como uma simples matéria, que de formalidade da lei, deve ser acatada pelo judiciário. Mas que, de fato, a categoria não é atendida dentro daquilo que se espera. ´
    Avir no sentido de uma mobilização é fato. Nessa quimera idealizada por alguns ‘sindicalistas’ de que a ECT vai se prontificar a discutir com a Fentect de sua livre e espontânea vontade os pontos cruciais da Pauta de reivindicação, enseja uma atitude proativa do trabalhador de base, para isso, opino para algumas vertentes:
    Fentect – Fazer um chamado a categoria dos trabalhadores dos Correios junto com o (Comando Permanente Nacional)

    Sindicatos – Convocarem uma assembleia extraordinária propondo ‘Aprovação de estado de greve Permanente’, mais breve possível.

    Trabalhador de base – Entender e compreender as questões cruciais que foram desprezadas pela 3ª vez pelo TST.

    Plano Médico – Foi remarcada pela 2ª vez. Agora para dia 14/11/2013, no TRT/10/DF, a pedido da ECT. Minha suposição: talvez aguardando a ‘reunião’ proposta pela Vigep direcionada aos sindicatos. E porque não a Fentect, se ela quem representa todos os trabalhadores? Resposta óbvia. ‘redimir’?. Eu não acredito!

    PCCS 1995 – Embora já houvesse por parte da ECT firmado compromisso de adequação com alguns sindicatos, tendo em vista, que este processo PCCS 1995 foi impetrado em separado pelos sindicatos, A ECT descumpre notadamente, desencadeando uma paralisação de 24 horas pelo sindicato VP. Essa questão está em litispendência em alguns estados/sindicatos.

    SAP/SARC – Instrumento impositivo de se alcançar metas e produção com métodos escravagistas que só aumentam o absenteísmo. Doenças ocupacionais ou trabalho, em função de desgaste físico e emocional.

    PLR – Discutir os critérios para de 2013. A ECT este ano simplesmente ultrapassou o limite de desconsiderar uma proposta formulada pelo Procurador do Trabalho.
    Assédio Moral – Retaliação a trabalhadores que participaram de movimento paredista, impondo.

    Anistia – Trabalhadores de base que lutaram e que continuam lutando pra retornar aos seus postos de trabalho e a ECT Finge que não vê.

    Tabela de Remuneração Singular e Função Convencional – A ECT alegou que a Pauta de reivindicação ultrapassaria a receita anual sobremaneira. E o que diz a ECT em relação a esta tabela? E ainda chega à PLR quer separar 10% pra seus estratégicos!

    Ainda que a Pauta apresentada estivesse acima do que ECT pudesse de fato, atender, o TST fez fator probante e contundente, como se não houvesse mais nada que pudesse ser aproveitado, motivo pelo qual se tem procurado seguidamente nos últimos anos, quase que convictos por parte da ECT
    .
    Fls 141/142 Nº TST-DC-6942-72.2013.5.00.0000 – 6) indeferir a fixação, nos termos e índices postulados, das seguintes cláusulas constantes da pauta de reivindicações da FENTECT e renovados na defesa.

    Fls 45/46 Nº TST-DC-6942-72.2013.5.00.0000 predomina na jurisprudência o entendimento de que não há margem para a atuação do poder normativo conferido à Justiça do Trabalho, dependendo a fixação de norma dessa natureza de ajuste direto entre as partes. A exceção à limitação do poder normativo da Justiça do Trabalho refere-se à hipótese de se tratar de dissídio coletivo de revisão de instrumento coletivo autônomo (acordo ou convenção coletivos de trabalho) ou de acórdão normativo resultante de acordo judicialmente homologado, em vigor em período imediatamente anterior, no qual tivesse havido a estipulação de piso salarial, situação em que caberia reajustá-lo pela utilização do índice considerado para efeito de recomposição salarial.

    Fls 133 Nº TST-DC-6942-72.2013.5.00.0000 (In verbis) CLÁUSULA 41 – NEGOCIAÇÃO COLETIVA – Em caso de ocorrência de fatos econômicos, sociais ou políticos que determinem ou alterem substancialmente a regulamentação salarial vigente, serão revistos de comum acordo pelas partes os termos do presente instrumento normativo, visando ajustá-lo à nova realidade.

    Minha sugestão: O trabalhador de base não precisa dizer pra ECT o que a gente quer, ela (ECT) sabe de có e salteado. O que ela precisa é ver a gente organizar uma mobilização para dezembro. Dinheiro é o que não falta. Basta ver essa tabela de Remuneração Singular e Função Convencional, contrapondo ao próprio Manpes, onde diz que não deverá haver disparidade salarial. Utopia.
    Quero evocar que o ticket Alimentação e Plano de saúde vieram de quando a data base era no mês de dezembro! A ECT percebeu que essa data era importante na sua cadeia produtiva, tratou logo de cooptar ‘sindicalistas’ pra conseguir aprovação de alteração de data base. Desse tempo pra cá quase não se avançou. A exceção, dos 30% de adicional de risco em 2008. A maioria das greves era somente para manter o que já tinha conquistado!
    Agora me dirijo ao trabalhador de base, se entender que é preciso mobilização, vamos impulsionar Fentect, Sindicatos, para organizarmos um grande movimento, só que agora todos juntos!
    Aos guerreiros forte abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s