Organizar já a greve no mês de Dezembro

Privatização do plano de saúde através do Postal Saúde, Calote das referencias salariais do PCCS 1995, miséria salarial, assédio nos locais de trabalho, excesso de serviço, indiferença pela reivindicação da entrega pela manhã, são atitudes da ECT que merecem ser respondidas com uma grande greve em Dezembro

carteiro

É necessário retomar a campanha salarial de 2013, retomando a greve da categoria para o mês de Dezembro, diante do não cumprimento das decisões judiciais que a direção da ECT insiste em descumprir, ameaçando o futuro dos trabalhadores dos Correios.

Nas últimas três campanhas salariais, a direção da ECT ignorou as reivindicações dos trabalhadores e levou as negociações para o TST – Tribunal Superior do Trabalho, a fim de que o Poder Judiciário brasileiro legalizasse sua politica de miséria salarial e retiradas de direitos.

No entanto, diante da resistência da categoria principalmente nestes últimos três anos, realizando greves com atos em Brasília em frente ao edifício da ECT e do TST, os ministros “biônicos” do Tribunal trabalhista garantiram a política de miséria da ECT, mas não tiveram coragem de avalizar a retirada de direitos pretendida pela empresa, como na questão da privatização do Plano de Saúde.

Além da privatização do Plano de Saúde a direção da ECT vem ignorando os trabalhadores dos Correios e passando por cima das próprias decisões judiciais provocadas por ela mesma.

Esta atitude de desrespeito da ECT deixa claro que só o enfrentamento direto dos trabalhadores com esta direção privatista poderá manter o Plano de Saúde e demais direitos da categoria, além da necessidade de estabelecer novas condições de trabalho nos Correios, a fim de preservar a integridade física da categoria.

Greve em Dezembro pela anulação completa do golpe do Postal Saúde

Nem bem encerrou a greve da categoria no início de outubro, depois do julgamento do dissidio da campanha salarial de 2013, aonde os ministros do TST reafirmaram que o Plano de Saúde dos Correios só pode ser modificado de comum com os trabalhadores, a direção da ECT anunciou que não irá abrir mão de privatizar o Plano de Saúde nos Correios, colocando em prática o golpe do Postal Saúde.

Dois dias depois do Julgamento do TST, a ANS – Agência Nacional de Saúde, órgão controlado pelo Governo Dilma Rousseff anunciou a validade do registro do Postal Saúde.

Se não bastasse o Governo Federal (PT-PMDB-PCdoB) estar articulando com a direção da ECT a privatização do nosso Plano de Saúde, o Tribunal Regional do Trabalho em Brasília vem adiando o julgamento de ação de nulidade do Postal Saúde, impetrada pela Fentect – Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios.

O julgamento que era para acontecer no dia 23 de setembro, passou para o dia 30 de outubro, que passou para o dia 14 de novembro e agora foi para o dia 19 de Dezembro de 2013.

Esta ação exige a anulação do golpe do Postal Saúde, invocando que seja cumprindo o Acórdão do TST, ou seja, as mudanças do Plano de Saúde tem que ser feita de comum acordo com os trabalhadores, por isso tem que ser considerado nulo o ato da direção da ECT que passou por cima de decisão judicial e realizou assembleia “fantasma” na calada da noite, véspera do feriado do 1° de maio, para criar o Postal Saúde, sem nem um acordo com os trabalhadores, abrindo caminho para privatização do Plano de saúde nos Correios.

Greve em Dezembro pelo pagamento dos passivos trabalhista do PCCS1995

Se não bastasse o ataque ao Plano de Saúde da categoria, passando por cima da decisão do TST, a direção da ECT resolveu dar um calote nos passivos trabalhistas, referentes ao não pagamento das referências salariais do PCCS1995.

O não pagamento destas referências gerou processos judiciais contra a ECT de vários sindicatos, que se encontram hoje em fase de execução.

Recentemente o Sintect-Cas – Sindicato dos trabalhadores dos Correios de Campinas e Região e o Sintect-VP – Sindicato dos trabalhadores do Vale do Paraíba, que haviam assinado acordo judicial de pagamento destes passivos trabalhistas para o final do mês de outubro pelo Diretor Regional dos Correios do Interior de São Paulo, receberam o calote da ECT.

Para justificar o calote, a direção da ECT noticiou aos sindicatos que não irá pagar os passivos, pois pretende alegar novamente em juízo que já pagou, quando assinou acordos coletivos de trabalho, repassando referencias salariais no salário dos trabalhadores.

Mais um golpe contra os trabalhadores, pois se a ECT conseguir emplacar esta fraude, vários sindicatos que também já ganharam o direito do pagamento dos passivos terão seus direitos usurpados por esta direção de fraudadores dos Correios.

Greve em Dezembro contra o assédio e pelas reivindicações imediatas para melhorar as condições de trabalho

A direção da ECT usa da truculência passando por cima das leis para garantir a opressão nos setores.

Depois de toda campanha salarial, além de não atender as reivindicações a ECT quer se impor contra os grevistas, através de perseguições, assédio moral impondo um campo de concentração nos setores.

Por isso além da manutenção do nosso plano de saúde e das exigências dos pagamentos dos passivos do PCCS1995, a greve de dezembro deve exigir o fim do assédio da chefia nos setores de trabalho, com contratação de mais funcionários, sendo que seria necessária a contratação de 110 mil funcionários para suprir a demanda existe hoje na empresa.

– Fim das terceirizações;

– Entrega das correspondências pela manhã;

– Extinção do trabalho no sábado com a incorporação de 15% no salário de todos os trabalhadores dos correios.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s